OS VILLAS BOAS, RONDON & A HISTÓRIA "REESCRITA"

Fernando Meirelles e os Villas Boas

Mário Ivan Araújo Bezerra
Os irmãos Villas Boas: Orlando, Leonardo e Cláudio (Imagem: Wikipédia)

Fiquei sabendo, por um dos noticiários da tarde, que está a se realizar em Manaus o 8º Amazonas Film Festival. Naturalmente uma das estrelas do evento é o grande produtor nacional Fernando Meirelles, de quem sou admirador e de quem já vi muitas obras. Sem nenhum favor, considero-o um dos maiores gênios de nossa arte cinematográfica.
Em dado momento do noticiário ele fala de sua nova produção, o filme XINGU, de Cao Hamburguer, e, como não podia deixar de ser, tece merecidos elogios aos três irmãos Villas Boas: Orlando, Cláudio e Leonardo. Comete, todavia, lamentável erro histórico ao dizer que, na década de 70, quando foi aberta a rodovia Cuiabá-Santarém, “houve sério risco de o Exército Brasileiro dizimar milhares de índios”, o que apenas não ocorreu por intervenção dos Villas Boas. Felizmente estou aqui para contradizer tamanha inverdade.
Nunca, desde sua formação nas guerras contra os holandeses, o Exército Brasileiro adotou ou apoiou políticas de seleção e, muito menos, de eliminação de etnias. Basta lembrar que Felipe Camarão, índio potiguar, foi um dos fundadores do que hoje é o Exército.
Em época mais recente, no século XX, o índio matogrossense Cândido Mariano da Silva Rondon ascendeu, no Exército, ao posto de marechal e alcançou renome mundial por sua saga desbravando os sertões, desenvolvendo nosso sistema de comunicações e fazendo contatos com índios ainda bravios. É dele a frase: “morrer, se preciso; matar, nunca”. Universalmente respeitado, realizou, no interior do país, ao contrário do que ocorreu em outras nações americanas, um trabalho ímpar, sem paralelo no mundo.
Em minhas andanças pela Amazônia muitas vezes conversei com pessoas que o conheceram e dele se tornaram admiradoras. Rondon e os Villas Boas foram contemporâneos e se davam muito bem. Realizaram vários excelentes trabalhos em conjunto. Se algumas vezes divergiram foi na busca da melhor maneira de servir ao país. (Até entre os próprios irmãos, por vezes, havia divergências).
Em 1969 o governo federal, considerando a vastíssima experiência do Exército no trato dos problemas amazônicos, decidiu engajá-lo na construção de estradas naquela área. Logo no início houve um problema sério na BR 174 (Manaus-Boa Vista) em que onze homens não pertencentes ao Exército – entre os quais um padre – foram massacrados por índios waimiris/atroaris. Nossa pronta intervenção impediu que o conflito se alastrasse e permitiu o prosseguimento da obra sem ocorrência de nenhum outro incidente grave até hoje.
Rondon (Imagem: Wikipédia)
Tempos depois, na construção da BR 163 (Cuiabá-Santarém), foram flechados alguns funcionários do 9º Batalhão de Engenharia de Construção pertencentes a uma turma de topografia. Imediatamente foram tomadas todas as providências cabíveis, inclusive com a colaboração dos próprios Villas Boas, para que os trabalhos pudessem prosseguir em harmonia com os índios, feito esse que mereceu aplausos internacionais.
Em nenhum momento índios foram mortos por soldados e, graças à experiência e à habilidade do Exército e dos Villas Boas, da mesma forma soldados não foram mortos por índios. Soldados, índios e Villas Boas sempre se deram bem. Quem pensa diferente precisa conhecer nossas guarnições existentes na Cabeça do Cachorro. Certamente ficará entusiasmado ao ver o orgulho com que o índio enverga a farda de soldado.
Minhas palavras expressam a mais pura verdade e disso dou fé. E, graças a Deus, ainda estão por aí dezenas e dezenas de oficiais, sargentos e praças do Exército que vivenciaram os fatos aqui citados e podem comprová-los. Insinuar que o Exército é genocida é distorcer a verdade ou, no mínimo, desconhecer a História.
São inúmeros os filmes nacionais que rememoram façanhas de conhecidos bandidos, como Lampião, Fernando da Gata, Lúcio Flávio e muitos outros. Seria assaz interessante produzir também mais algumas obras que realmente informassem a juventude sobre a verdadeira atuação dos nossos grandes heróis. O Barão de Mauá já foi contemplado.
Que tal, agora, um filme sobre o Duque de Caxias? Sobre Rondon?
*General reformado

Nenhum comentário:

Postar um comentário