AUMENTO DOS MILITARES: "REAJUSTE É QUESTÃO DE GOVERNO", DIZ MINISTRO DA DEFESA

Reajuste dos soldos é questão do governo, diz Amorim
MARCO AURÉLIO REIS

O reajuste dos soldos das Forças Armadas deixou de ser uma preocupação exclusiva do Ministério da Defesa, passando a ser uma questão do governo como um todo. Esse foi o tom da ofensiva feita pelo ministro Celso Amorim em prol do esperado aumento nesta reta final da discussão do Orçamento da União para o ano que vem.
Em audiência na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, Amorim disse estar “muito ciente das necessidades” dos quartéis por melhoria nos vencimentos. “Diria mais: o governo, como um todo, está muito ciente dessas necessidades e se preocupa com essa situação”, completou. Em tom diplomático, o ministro afirmou que reconhece que “há uma defasagem salarial grande” entre a carreira militar e outras de estado. “No início e no meio da carreira, o sofrimento dos militares é muito grande. Um segundo tenente ganha entre R$ 6 mil e R$ 6,5 mil, bem abaixo de um auditor, incomparavelmente abaixo de um delegado no início de carreira, abaixo de um diplomata, que não acho que ganha muito”, comparou.
O ministro foi além. Disse que “algo tem que ser feito” para reparar a defasagem dos soldos militares. “E não é só por questão de Justiça para atender a pessoas que, em sua enormíssima maioria, são devotadas à pátria, que não são ligadas a nenhuma ideologia específica e que querem o bem do Brasil”. E alertou: “É uma questão de segurança nacional, porque esse tenente que está ganhando R$ 6,5 mil é o homem que está na fronteira, na Operação Ágata (de combate ao tráfego de armas, drogas e contrabando, entre outros crimes )”.

Últimos 8 anos
Na audiência pública na Câmara dos Deputados, o ministro Celso Amorim também destacou que, entre os aumentos salariais concedidos nos últimos oito anos, de todas as carreiras de Estado, a que teve o menor reajuste foi a classe composta por militares.

Sem data certa
Amorim foi diplomático sobre quando o reajuste será concedido. “Hoje, amanhã, depois de amanhã, ano que vem? Preferia não entrar nesta discussão”, disse.

Momento ruim
O ministro disse mais: “Estamos vivendo momento de dificuldades (financeiras). Há a necessidade até de uma diplomacia interna para levar esse assunto adiante”.

Contra-inteligência
Na mesma audiência na Câmara, quarta-feira, Amorim revelou que os manuais de contra-inteligência em uso pela Marinha e pelo Exército vão passar por total reformulação: “Nossos documentos têm de estar adequados às atuais circunstâncias”.

Mexida no texto
O novo texto vai tirar expressões inadequadas, que remetem ao passado. O ministro disse ainda que a própria doutrina que orienta os manuais está sendo revista.

Sem bisbilhotagem
Amorim defendeu ainda as atividades militares de contra-inteligência contra espionagem e crimes, garantindo ainda sua lisura. “Não há bisbilhotagem”, assegurou.
O DIA ONLINE/FORÇA MILITAR

Nenhum comentário:

Postar um comentário